Mundo Cientifico

Drogas anti-HIV estão contribuindo para epidemia de sífilis, sugere estudo

pilulasecamisinha

Pesquisadores suspeitaram da relação porque aumento de casos não foi observado em outras DSTs. Estudo usou modelo matemático para indicar hipótese

Medicamentos antirretrovirais indicados para conter o HIV no organismo podem ser responsáveis pelo aumento do número de casos de sífilis, sugere estudo da University of British Columbia (UBC/Canadá). A pesquisa levanta a hipótese de que essas drogas diminuem a imunidade do corpo para algumas doenças específicas – entre elas, a sífilis.

O avanço da doença está sendo registrado no mundo inteiro. No Brasil, o Ministério da Saúde admitiu no ano passado que enfrentávamos uma epidemia. A epidemia ocorre quando há um incremento no número de infectados em uma doença que seguia estável, como é o caso da sífilis. Tivemos 230 mil novas notificações entre 2010 e 2016 e um aumento de 32,7% entre 2010 e 2015.

A suspeita de que os antirretrovirais poderiam abaixar especificamente a imunidade do corpo para a sífilis veio porque o mesmo aumento no número de infectados não ocorreu em outras doenças sexualmente transmissíveis, como a gonorreia e a clamídia.

“Isso me levou a acreditar que algo a mais estava acontecendo”, disse Michael Rekart, autor do estudo e professor na University of British Columbia, em nota. Um outro ponto importante é que a sífilis está aumentando para todos, mas mais ainda entre homens que fazem sexo com homens. 

Até agora, a comunidade científica sugeriu que o surto pode ser resultado de comportamentos sexuais mais arriscados, como o sexo sem camisinha. Essa percepção é decorrente também de uma outra, de que o risco de infecção pelo HIV é baixo, devido à disponibilidade e eficácia das terapias antirretrovirais. Essa explicação, no entanto, não foi testada e não explica porque outras DSTs não tiveram o mesmo aumento.

Para tentar explicar o que está ocorrendo, os pesquisadores da UBC utilizaram um modelo matemático para prever as taxas de sífilis com base na premissa de que o comportamento sexual de risco era a única causa do aumento. Resultado: eles chegaram a uma taxa inferior à atual. Mas, quando foram adicionados ao modelo os possíveis efeitos de imunidade dos antirretrovirais, os cientistas chegaram a uma taxa que se aproximava da incidência real de sífilis.

Assim, a hipótese é de que o aumento de infectados é resultado tanto de um comportamento de risco como de uma baixa imunidade para a sífilis provocada por antirretrovirais. Mesmo assim, salienta Michael Rekart, o uso da camisinha é indispensável. Ele também adverte que ninguém deve parar de tomar os medicamentos por conta do risco para a sífilis.

“Os medicamentos anti-HIV salvam vidas e a sífilis é curável”, diz. “A diminuição do número de parceiros e o uso da camisinha é a decisão mais acertada nesse caso”, salienta.

 

FONTE:ttp://brasileiros.com.br/Tzuag

 

 

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixar uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!